Itaquá deve inaugurar Central da Covid-19 nos próximos dias; serão mais 17 leitos para tratamento da doença

Com a inauguração da Central de Atendimento da Covid-19, prevista para ocorrer nos próximos dias, os munícipes de Itaquacetuba terão à disposição uma estrutura com 17 leitos, médicos, respiradores, UTI e um tomógrafo computadorizado no centro da cidade. A Prefeitura Municipal está acertando os últimos detalhes para colocar o equipamento para funcionar nas instalações do Centro de Saúde Infantil (CSI).
A medida visa centralizar os casos de contaminação que necessitarem de atendimento no município, desafogando o Hospital Santa Marcelina e a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) 24h. "Mesmo com poucas semanas de gestão, corremos contra o tempo para fazer a nossa Central da Covid", comemorou o secretário de Saúde, Edson Rodrigues.
Após a pandemia, a estrutura e os equipamentos que estão no local serão usados para o funcionamento do hospital infantil, que não foi inaugurado pela gestão passada. "Investimento que fica para Itaquá e não será desmontado, ao contrário de um hospital de campanha", explicou o prefeito Eduardo Boigues.
Cuidar da saúde dos moradores de Itaquá foi uma promessa de campanha do prefeito que, em menos de um mês, já mostrou a que veio. Além da Central da Covid, Boigues tem cobrado dos governos estadual e federal que a cidade receba mais vacinas e também tomou o controle administrativo da UPA 24h e do Centro de Saúde (CS) 24h após encontrar irregularidades na gestão da empresa terceirizada.
"Enquanto não vencermos essa guerra, seguir os cuidados é uma responsabilidade de todos. Use máscara, lave bem as mãos e evite aglomerações", reforçou o prefeito.
Nos próximos dias, os munícipes de Itaquecetuba terão à disposição um estrutura com 17 leitos, médicos, respiradores, UTI e um tomógrafo computadorizado no centro da cidade, com a inauguração da Central de Atendimento da Covid-19. A Prefeitura Municipal está acertando os últimos detalhes para colocar o equipamento para funcionar nas instalações do Centro de Saúde Infantil (CSI).
A medida visa centralizar os casos de contaminação que necessitarem de atendimento no município, desafogando o Hospital Santa Marcelina e a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) 24h. "Mesmo com poucas semanas de gestão, corremos contra o tempo para fazer a nossa Central da Covid", comemorou o secretário de Saúde, Edson Rodrigues.
Após a pandemia, a estrutura e os equipamentos que estão no local serão usados para o funcionamento do hospital infantil, que não foi inaugurado pela gestão passada. "Investimento que fica para Itaquá e não será desmontado, ao contrário de um hospital de campanha", explicou o prefeito Eduardo Boigues.
Cuidar da saúde dos moradores de Itaquá foi uma promessa de campanha do prefeito que, em menos de um mês, já mostrou a que veio. Além da Central da Covid, Boigues tem cobrado dos governos estadual e federal que a cidade receba mais vacinas e também tomou o controle administrativo da UPA 24h e do Centro de Saúde (CS) 24h após encontrar irregularidades na gestão da empresa terceirizada.
"Enquanto não vencermos essa guerra, seguir os cuidados é uma responsabilidade de todos. Use máscara, lave bem as mãos e evite aglomerações", reforçou o prefeito.

COLUNISTAS

Comente esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

FOTOS

Torneios de futebol serão retomados domingo

2

Catálogo digital traz ofertas especiais para o Dia das Mães

8

Liga Arujaense de Futebol retorna com amistosos

18

Guia de Anunciantes