Hospital e Maternidade Ipiranga Arujá completa 50 anos de história

Este ano o Hospital e Maternidade Ipiranga Arujá, localizado no bairro Jardim Modelo, completa 50 anos de história. O hospital foi fundado no dia 04/10/1970 com a finalidade de prestar assistência médica de forma filantrópica aos moradores da cidade. De lá para cá, a instituição passou a fazer parte da história da cidade, consolidando-se como uma referência de pronto-socorro e maternidade na região do Alto Tietê.
“Ao longo da nossa história, o Ipiranga Arujá se transformou em um dos hospitais mais modernos e equipados da cidade, tornando-se referência na região. Isso é resultado do trabalho de cada um dos nossos profissionais e dos constantes investimentos realizados para garantir a alta qualidade na infraestrutura física e organizacional, possibilitando oferecer ao paciente um atendimento médico diferenciado, com foco na eficácia, na segurança e na satisfação do cliente”, conta Rita Cicareli, diretora da instituição.
Com 82 leitos disponíveis, o Hospital possui uma estrutura completa para o atendimento clínico e emergencial e também para a realização de exames, diagnósticos e tratamentos. A unidade conta com pronto-socorro adulto, infantil, ortopédico, ginecológico obstétrico, internação clínica e cirúrgica, maternidade, UTI neonatal e UTI adulto. Para operar toda essa estrutura, o hospital conta com 600 colaboradores entre próprios e terceiros. Entre elas, está Benedita de Paiva Araujo, que trabalha há 33 anos na instituição, desde os 17 anos de idade - seu primeiro emprego. Benedita é considerada uma verdadeira guardiã da história do hospital. É ela quem organiza os arquivos do hospital, como o livro de nascimentos, por exemplo. “Tenho diversas recordações felizes trabalhando aqui. Essa é a minha segunda casa, fiz amigos e acompanhei as melhorias que a unidade passou. Vi a expansão do Ipiranga Arujá acompanhando o crescimento da cidade e fico muito orgulhosa por trabalhar em uma área que organiza referências da história”, comenta Benedita.
Um dos carros-chefes do hospital é a maternidade, que realiza cerca de 80 por mês. São 960 bebês por ano, o que reforça a relevância do hospital para a comunidade local. O primeiro bebê nasceu em 1970, dois dias depois da inauguração. O menino recebeu o nome de Pedro Lions de Faria, em homenagem ao hospital, que naquela época pertencia à Associação Lions Club de Arujá. Hoje, o hospital pertence ao maior grupo de saúde do mundo, o UnitedHealth Group, dono da Amil.

 

COLUNISTAS

Comente esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

FOTOS

Transformar Guararema em uma “smart city” é uma das metas

1

Com unidades de atendimento 24 horas, Plena Saúde cresce

6

Crimes ambientais e loteamentos irregulares

5

Guia de Anunciantes