Exercícios sobre rodas: ciclistas ganham as ruas de Arujá

Prática de ciclismo ganha adeptos a cada dia na cidade

Em busca de ter mais qualidade de vida e até mesmo por lazer, cada vez mais pessoas têm aderido ao charme da tradicional magrela. Cada vez mais cresce o número de moradores de Arujá adeptos a prática esportiva do ciclismo. Muitos dedicam parte da semana e até dos finais de semana para pedalar pelas vias da região. O Jornal da Cidade conversou com algumas dessas pessoas que mudaram o estilo de vida a partir do ciclismo. 
Aos 45 anos, o empresário Cleber Simão deixou o sedentarismo de lado e começou pedalar. Ele contou à reportagem que iniciou a prática da atividade em setembro de 2017, a convite de amigos. “Eu sempre gostei de bicicleta, então isso me motivou ainda mais a praticar essa atividade”, acrescenta.
Cleber conta que, desde quando aderiu ao ciclismo, seu condicionamento físico muda gradativamente. “Eu já emagreci e estou muito mais disposto, pois durmo melhor, minha ansiedade diminuiu assim com o estresse. Hoje eu não vejo a hora de ir pedalar e curtir o caminho, bem como a galera do pedal, pois o ciclismo nos possibilita encontrar velhos amigos, assim como fazer novas amizades”, ressalta o empresário que já fez um percurso de 75 quilômetros de bicicleta (ida e volta), de Arujá a Igaratá. 
Também disposto a ter mais qualidade de vida, o corretor de imóveis, Cristiano Diniz, também aderiu ao ciclismo. Aos 44 anos ele conta que a cerca de 1 mês, por problemas de saúde, decidiu que sairia do sedentarismo pedalando. “Precisava praticar alguma atividade para ter mais condicionamento físico, foi então que descobri a bicicleta. Ainda é recente a minha entrada neste mundo, mas a cada dia percebo o quanto é legal pedalar e o quanto tem contribuído para a minha saúde. Hoje eu pedalo de três a cinco vezes na semana”, conta Cristiano que neste pouco tempo de atividade já conseguiu concluir um percurso de 25 quilômetros.
Estudante universitária, Nice Silva, de 36 anos, aderiu à prática do ciclismo há um ano e meio. Ela conta que começou a pedalar após passar por um quadro depressivo pela perda da mãe. “Meu cardiologista orientou a praticar alguma atividade, porém, não consegui me adaptar às rotinas de academias ou caminhadas, foi quando, a convite de um casal de amigos que já pedalavam, comecei a praticar”, revela Nice acrescentando que uma das suas melhores escolhas foi trocar os antidepressivos pela bicicleta.
Nice, que já fez percursos de 45 quilômetros pedalando, toda sexta-feira faz um “pedal do bem”, incentivando novos adeptos ao ciclismo a começarem a atividade com percurso menor e de pouco impacto.
Apesar de o ciclismo ganhar adeptos a cada dia em Arujá, a cidade conta com apenas uma ciclovia para a prática da atividade. Com cerca de cinco quilômetros de extensão, a ciclovia da cidade está localizada na Avenida Mário Covas. Inaugurada em 2016, juntamente com a entrega da obra da duplicação dessa via que liga Arujá ao município de Guarulhos, o espaço destinado aos ciclistas não está em seus melhores estados de conservação. Quem utiliza o local tem que desviar de depressões no solo, água de nascentes que escorrem pela ciclovia e falta de iluminação em alguns trechos.

Como começar a pedalar
Para quem está interessado em começar a pedalar, o especialista Thiago Silva, da The Bike Shop, conta que a pessoa deve atentar a cuidados básicos antes de sair por aí pedalando.
Ele explica que a primeira coisa que o iniciante no pedal deve levar em consideração, é encontrar uma bicicleta que proporcione uma posição adequada. “O tamanho da bicicleta é determinada de acordo com a estatura da pessoa. Isso serve para evitar dores e desconfortos”, explica.
No início é recomendável que a pessoa faça treinos mais curtos e em trechos mais fáceis, isso para adquirir condicionamento físico para pegar uma trilha mais acentuada, com vários morros, por exemplo.  Thiago Silva salienta que é imprescindível a utilização de itens de segurança, como capacete, luva, farol, lanterna - no caso de pedalar a noite, e água para se hidratar durante o percurso. 
“é muito importante respeitar os limites do corpo, para evitar possíveis lesões. Pedalar é maravilhoso, faz bem ao corpo e mais ainda para a mente, pois proporciona um encontro de pessoas com os mesmos objetivos de curtir a vida, sair da rotina, superar desafios e acima de tudo, se divertir com saúde”, conclui.

COLUNISTAS

Comente esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

FOTOS

2ª Etapa do Circuito Mirim de Corrida foi realizada

3

Secretaria de Desenvolvimento Econômico homenageou mulheres

3

Polo Arujá da Universidade Anhembi Morumbi torna-se modelo

2

Guia de Anunciantes