04/07/2016

Cresce assustadoramente o uso de cocaína e a doença que ela traz

Dados divulgados esta semana pelo UNODC (Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime) revelam que a América Latina é a região onde mais cresce o consumo de cocaína no mundo. O relatório garante que o consumo de cocaína no Cone Sul disparou mais do que em qualquer outra parte do mundo.
Pelos dados da pesquisa, o consumo de cocaína na América do Sul supera em quatro vezes a média mundial. E não fica só nisso. O Cone Sul desbancou a Europa como a segunda região com mais usuários, atrás apenas da América do Norte. 
Antes considerada uma droga para ricos, a cocaína hoje é usada em larga escala nas favelas de São Paulo, mos bares de Montevidéu, nas universidades de Bogotá, nos morros do Rio de Janeiro e em todos os lugares do Brasil e dos países vizinhos. 
A pesquisa ratifica que a droga e seus derivados estão em setores de baixo nível socioeconômico, classes médias, entre jovens e adultos, universitários e homens de negócios. 
Para os que achincalham os usuários, é importante saber que a dependência química é uma doença primária, crônica, progressiva e de determinação fatal. É uma doença multidimensional e multifacetada, ou seja, atinge o indivíduo em diversos níveis: Físico, Mental, Emocional e Espiritual.
Portanto, a dependência química não é um hábito, nem um vício, nem um sintoma de transtorno da personalidade; é uma enfermidade primária crônica, progressiva e de terminação fatal que afeta todos os aspectos da pessoa: físico, mental, emocional, espiritual e social requerendo uma abordagem que integre e intervenha em todos estes elementos em um tratamento global.
Segundo definição da OMS, dependência química é: Estado caracterizado pelo uso descontrolado de uma ou mais substâncias químicas psicoativas com repercussões negativas em uma ou mais áreas da vida do indivíduo. 
Tal estado, assim como tal descontrole pode ser episódico ou permanente, mas tende a tornar-se progressivo com o passar do tempo. O cérebro jamais esquece a sensação provocada pela droga, sendo necessária total abstinência para a recuperação. Portanto, se é uma doença, é fato que sem tratamento não tem como ser curada. Não será os pais ou familiares expulsando o filha (a) de casa que ele se libertará deste mal. Ao contrário: Morrerá deste mal.

 

Comente esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.


FOTOS


Guia de Anunciantes