23/10/2018

População terá oportunidade de discutir sobre a Saúde de Arujá nesta terça, na Câmara

A partir das 18h desta terça-feira (23), a Câmara de Arujá sediará o 1º Fórum de Debates sobre Saúde Pública Municipal. A atividade ocorrerá no Plenário Vereador João Godoy e tem como objetivo promover uma ampla discussão sobre o setor envolvendo gestores, organizações não-governamentais, funcionários e a comunidade.
O Fórum de Debates, conforme determina o Decreto Legislativo nº 229/17, de autoria da vereadora Ana Cristina Poli (PR), “constitui um ambiente de articulação, intervenção, troca de experiências e debate entre órgãos e entidades públicas e a sociedade civil, visando a construção de alternativas e metas que possibilitem a implantação de ações para a melhoria da saúde pública do município de Arujá”. Segundo a vereadora Ana Cristina Poli (PR), o Fórum pretende elaborar diagnósticos e apresentar ideias que auxiliem na solução dos principais problemas enfrentados pela população ao buscar atendimento nas unidades de saúde da cidade.
“O Fórum servirá para subsidiar a elaboração de propostas para este setor. Vamos discutir sobre a falta de medicamentos, formas de otimizar o transporte para pacientes, a criação do Centro de Especialidades Médicas, entre outros assuntos”, explicou.
Os vereadores Rogério Gonçalves Pereira (PSD), o Rogério da Padaria, e Renato Bispo Caroba (PT) vão compor com a presidente Ana Poli a comissão encarregada de organizar a atividade. Rogério é o atual presidente da Comissão Permanente de Saúde, Educação e Assistência Social da Casa, e atuará como relator. Caroba, relator da Comissão de Justiça e Redação da Casa, será vice-presidente.

Crise
O Fórum fará sua primeira reunião em meio a uma crise na gestão do serviço de saúde na cidade. O assunto tem sido pauta constante das Sessões Ordinárias e foco de duras críticas dos vereadores, principalmente diante da inoperância do Instituto Inovação em Gestão Pública, organização social que ficou por sete meses responsável pela gestão da Maternidade Municipal Dalila Ferreira Barbosa e das unidades de Pronto Atendimento do Centro e do Barreto, que desde a última sexta-feira (19) foi substituída pelo Instituto de Desenvolvimento de Gestão, Tecnologia e Pesquisa em Saúde e Assistência Social (IDGT).
A Inovação recebeu mais de R$ 17 milhões no período em que permaneceu como gestora dos equipamentos públicos de saúde. Funcionários alegam, no entanto, que a OS não pagou os salários dos funcionários e não oferecia condições para atendimento adequado dos pacientes. A denúncia foi matéria em telejornal da região.
A reunião do Fórum será transmitida ao vivo pelo canal oficial da Câmara no YouTube.

Comente esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.


FOTOS


Guia de Anunciantes